Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1405 artigos encontrados em Notícias
 
 
Tríade da Mulher Atleta – como prevenir e tratar
 
Excesso de exercícios, alimentação inadequada e as dietas “milagrosas” para perder peso podem provocar a doença e consequentemente levar à osteoporose, mesmo no caso das mais jovens.  

Mulheres que praticam atividades vigorosas em excesso, sejam atletas profissionais ou amadoras, correm o risco de desenvolver a Tríade da Mulher Atleta. Isso porque o organismo precisa de energia suficiente para o funcionamento adequado de todo metabolismo, no repouso e no esporte. Porém, quando ocorre um desequilíbrio entre o que se gasta nos exercícios e na consumida por meio da alimentação, surge a Tríade da Mulher Atleta. Se existe falta de energia para o funcionamento do corpo, a quantidade da comida que consome é baixa, a mulher deixa de metabolizar e produzir hormônios essenciais para a manutenção da massa óssea, o que pode levar à osteoporose, mesmo nas mais jovens.

Nestes casos, as fraturas por estresse passam a ser mais frequentes e a queda na performance esportiva é quase que inevitável. Quando a mulher come menos, faz dietas rigorosas e gasta mais energia em puxadas atividades físicas desencadeia o desequilíbrio, que pode levar a osteopenia e, mais tarde, a osteoporose mesmo em garotas de 20 anos. Em algumas situações, o dano pode ser permanente. Alguns são importantes sinais de que algo está errado como perda de peso, atrasos da menstruação, queda no desempenho, maior cansaço no dia a dia, fraqueza muscular, fratura por estresse, desânimo e depressão.

O tratamento consiste em fornecer mais energia, ajustar a carga de treinamentos e indicar uma alimentação mais equilibrada. Para evitar a Tríade da Mulher Atleta é fundamental ainda nunca jejuar antes dos exercícios, ficar bem longe das chamadas dietas milagrosas de verão e sempre contar com acompanhamento médico.
 
Fonte
Dra. Karina Hatano - é médica do exercício e do esporte, mestre em Medicina Esportiva pela Universidade Federal de São Paulo, onde também realizou a Residência Médica em Medicina do Esporte, além de acumular especialização em fisiologia do exercício e nutrologia. Preceptora da Medicina Esportiva da Universidade Federal de São Paulo e professora da Liga de medicina esportiva da UNIFESP, também é responsável pela saúde de atletas de alta performance de diversas modalidades esportivas, como da seleção brasileira de natação e das confederações brasileiras de beisebol e softbol.
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.