Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1402 artigos encontrados em Notícias
 
 
Sociedade Internacional de Nefrologia alerta para epidemia “silenciosa” de Doença Renal Crônica
 
A organização traçou um raio x da doença no mundo e mostrou um futuro desanimador.
 
A insuficiência renal pode ser o primeiro passo para o desenvolvimento de uma
insuficiência renal grave.

Uma em cada 10 pessoas sofrem de doença renal crônica (DRC) no mundo, afirma novo relatório desenvolvido pela Sociedade Internacional de Nefrologia (ISN). Porém, até 90% dos afetados não sabem que sofrem de perda na função dos rins. O relatório destacou que existem grandes lacunas no cuidado e prevenção da doença renal em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

O Kidney Atlas Global Health – publicado na revista científica JAMA – mostra diferenças significativas entre os países analisados e alertou que a DRC pode ser causada por diabetes, obesidade, tabagismo ou pressão arterial elevada, fatores de risco que prevalecem de forma desigual entre as populações do globo. Bélgica e Arábia Saudita são os que têm valores mais elevados, com 24% cada, seguido pela Polónia (18%), Alemanha (17%) e Reino Unido (16%). A Noruega e os Países Baixos têm as estimativas mais baixas, em 5%. A prevalência estimada nos EUA é de 14%, enquanto o Canadá e a Austrália estão em 13%. Globalmente, a prevalência estimada de DRC em todo o mundo varia de 7% no sul da Ásia, 8% na África, 11% na América do Norte e 12% na Europa, Oriente Médio e Ásia Oriental e América Latina.

Segundo números da Sociedade Brasileira de Nefrologia, haviam 122 mil pessoas em diálise no Brasil, em 2014. Atualmente, existem 750 unidades que realizam a diálise cadastradas no país, 35 somente na cidade de São Paulo. Os dados mostram ainda que 70% dos pacientes que fazem diálise descobrem a doença tardiamente. A taxa de mortalidade para quem enfrenta o tratamento é 15%.

Risco silencioso

Se não for tratada, a DRC é um importante fator de risco para insuficiência renal terminal e doenças cardiovasculares. Pacientes podem progredir para doença renal em estágio final – o que significa diálise ou transplante. Em todo o mundo, cerca de 1 milhão de pessoas morrem a cada ano por insuficiência renal não tratada. Além disso, tais são os perigos da DRC, que as pessoas com esta condição são até 20 vezes mais propensas a morrer de outras causas (como ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral) antes de chegarem a ponto de tratamento de diálise ou transplante.

Previsões alertam que a epidemia vai aumentar nos próximos anos devido a fatores que estão por trás da doença – como tabagismo, pouca hidratação e consumo exagerado de sódio. Esta expansão preocupa especialistas: A insuficiência renal pode ser o primeiro passo para o desenvolvimento de uma insuficiência renal grave (com a consequente necessidade de diálise ou transplante) e cardiovascular, além da deterioração geral da saúde, que pode levar à morte”, assinala a Dra. Maria Letícia Cascelli, nefrologista e diretora da Clínica de Doenças Renais de Brasília.

Prevenção é o melhor remédio

Os testes para identificar a DRC medem a taxa de filtração do sangue nos rins (conhecida como Taxa de Filtração Glomerular) e também outros fatores como a quantidade de proteína na urina. Níveis elevados de proteína na urina indicam que os rins não estão funcionando bem. Por isso, recomendamos que qualquer pessoa com um dos fatores de risco deve solicitar um exame de saúde renal a seu médico. Teste de sangue, urina e controle de pressão arterial é tudo o que é necessário para a verificação.

Os médicos recomendam a triagem repetida a cada ano se os fatores de risco ainda estiverem presentes. É aconselhado um estilo de vida simples, incluindo uma dieta saudável com baixo teor de sal e alto teor de fibra, mais atividade física, interrupção do tabagismo, adequado controle da glicemia e da pressão arterial. Essas recomendações podem retardar a taxa de progressão da DRC em até 50% e, em alguns casos, reverter os danos.

Fonte
Dra. Maria Letícia Cascelli, nefrologista da Clínica de Doenças Renais em Brasília (CDRB)


https://www.theisn.org/initiatives/ckd#health-atlas
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.