Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1565 artigos encontrados em Notícias
 
 
Câncer de Pâncreas
 
Doença na maioria das vezes é diagnosticada de forma tardia, por isso apenas 15 a 20% dos pacientes são candidatos à cirurgia com potencial de cura.

Pelo fato de grande parte dos casos serem diagnosticados tardiamente e por ser uma doença agressiva, o câncer de pâncreas apresenta alta taxa de mortalidade. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), é responsável por cerca de 2% de todos os tipos de câncer diagnosticados e por 4% do total de mortes por essa doença.

O pâncreas é uma glândula de aproximadamente 15 a 20 cm de extensão, que se localiza atrás do estômago - entre o duodeno e o baço, atravessando o abdômen. Sua função no organismo é produzir hormônios – como a insulina, glucagon e somatostatina e enzimas digestivas que auxiliam na digestão.

Existem vários tipos de câncer de pâncreas, e o prognóstico pode mudar completamente de acordo com as características como o tipo do tumor, a localização, e se não há metástases. O mais comum é o adenocarcinoma, tumor maligno que se forma nas glândulas de função exócrina. Já o linfoma de pâncreas é muito raro.

Sintomas
Os principais sintomas que podem indicar o câncer de pâncreas são dor (80%), icterícia - olhos amarelados, urina escura, fezes acinzentadas (60%), perda de peso (85%), fraqueza (86%), anorexia (80%), náuseas (50%), diarreia (45%) e vômitos (33%). Os sintomas podem variar de acordo com a localização do tumor, mas o câncer de pâncreas pode se apresentar de forma assintomática por longo período.

O diagnóstico na maioria das vezes é feito pela história clínica do paciente, com sintomas de perda de peso, dor abdominal ou icterícia. O diagnóstico sem sintomas, para pacientes com adenocarcinoma não é frequente. Outros tumores pancreáticos, como lesões císticas ou neuroendócrinas, podem ser diagnosticados de forma secundária.

Dentre os fatores de risco para desenvolver o câncer de pâncreas, destacam-se idade, tabagismo e obesidade. A doença é mais comum em homens, em pacientes diabéticos e com pancreatite crônica, por causas não elucidadas. Outro fator relacionado pode ter ligação genética. Existem famílias que tem uma maior predisposição ao câncer de pâncreas. Já o consumo de álcool, café e fatores dietéticos, não estão provados que tem relação com o câncer de pâncreas.

Tratamento
O tratamento consiste na retirada completa do tumor por cirurgia, associada à quimioterapia ou não. Aproximadamente de 15 a 20% dos pacientes são candidatos à cirurgia com potencial de cura, devido ao diagnóstico ser frequentemente tardio, como doença mais avançada.

Fonte
Dr. Eduardo Ramos - Cirurgião geral do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG)
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.