Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1631 artigos encontrados em Notícias
 
 
Por que comemos mais, mesmo quando já estamos saciados?
 
O Dia Mundial de Combate à Obesidade mudou para 4 de março

A fome é derivada de uma série de impulsos que nos levam ao ato de comer. Um deles é o apetite fisiológico, quando buscamos alimento porque estamos mesmo com fome, mas também há o apetite hedônico, é o ‘comer emocional’. A fome vem de impulsos da memória afetiva, do cheiro de alguma comida na lembrança. Essa é a parte que está relacionada com o controle hipotalâmico do apetite, que, por sua vez, está interligado ao ato de comer fora de hora ou quando já estamos alimentados.

Entre os hormônios ligados à saciedade está a leptina, que é responsável por ‘contar’ a reserva energética disponível e sinalizar a saciedade. A grelina é o hormônio que antecipa as refeições, agindo como se fosse o hormônio da fome. O GLP1 é um hormônio que vai ser liberado quando há alimento no trato gastrointestinal, fazendo com que o pâncreas libere insulina. A elevação de insulina é um sinalizador para o cérebro sobre a saciedade.

Nos pacientes que sofrem de obesidade, há uma resistência à leptina, e o cérebro não sinaliza a saciedade. Mas esse é apenas um dos lados da obesidade, doença crônica, recidivante e multifatorial.

A epidemia mundial da obesidade também está relacionada ao chamado ambiente obesogênico, onde estão incluídos: (1) a facilidade em encontrar alimentos hiperpalatáveis, que acabam tendo efeito hipotalâmico (aqueles crocantes, molinhos, fofinhos) e (2) espaços ou hábitos que não favorecem a prática de exercício físico, levando mais e mais pessoas ao sedentarismo. A criança, por exemplo, é espelho da alimentação e do hábito da família. É o ambiente disfuncional que faz nosso organismo ter acúmulo de calorias.

Dia Mundial da Obesidade – A obesidade é uma epidemia que afeta mais de dois bilhões de pessoas em todo mundo, mas ainda não é totalmente compreendida: o paciente que sofre de obesidade precisa de tratamento como qualquer outra doença.

Fonte
Dra. Andressa Heimbecher - Endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.