Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1565 artigos encontrados em Notícias
 
 
Segundo estudo, mesmo dentro do seu peso, a gordura abdominal é perigosa e traz sérios riscos à saúde
 
É preciso lembrar que dietas da moda muito restritivas e que não são feitas personalizadas podem trazer sérias avitaminoses, alterações hormonais, perda de massa muscular e ainda propiciar o efeito sanfona que é extremamente prejudicial ao organismo.
Muitas alterações fisiológicas começam a acontecer logo após os 30 anos de idade e uma delas é o começo do aumento da circunferência abdominal.
Existem dois tipos de gordura abdominal a subcutânea, que se localiza a frente dos músculos abdominais e a visceral, que se acumula entre as alças intestinais e órgãos internos como o fígado. As duas são prejudiciais à saúde, mas estudos comprovam que a gordura visceral é ainda mais perigosa.

O Risco da Gordura Abdominal:

Resistência à insulina podendo ocasionar o diabetes; Aumento do colesterol; Doenças cardiovasculares; Apneia no sono; Hiperlipidemia pós-prandial (associada à aterosclerose – acúmulo de placas de gordura); Alteração da pressão arterial nos vasos favorecendo sua obstrução (AVC); Câncer nos órgãos afetados pelo excesso de gordura; Demência; Síndrome metabólica, um conjunto de alterações que traz riscos ao coração; Dor crônica; Insuficiência renal; Alterações hepáticas; Morte súbita.

Causas:

Falta de atividades físicas regulares; Má alimentação; Tabagismo;Excesso de bebidas alcoólicas; Falta de sono; estresse.
Como saber se está dentro do grupo de risco?
É muito importante ter ciência das causas acima citadas, e, além disso, poderá medir, com uma fita métrica, na cintura, no ponto médio entre a última costela e a crista ilíaca, posicione corretamente a fita, não deixe dobrar e principalmente deixe o abdômen relaxado!
Para mulheres :Ideal até 80 cm; Risco moderado entre 80 e 88 cm; Alto rico acima de 88 cm.
Para homens: Ideal até 94 cm; Risco moderado entre 94 e 102 cm; Alto risco acima de 102 cm (OMS)
Há também outra forma de se avaliar a obesidade central realizando a Razão Cintura Quadril, que de acordo com a Organização Mundial da Saúde, o perímetro da cintura em cm dividido pelo perímetro do quadril em cm como um dos critérios para caracterizar a síndrome metabólica, com valores de corte de 0,90 para homens e 0,85 para mulheres. Este dado demonstra na população brasileira a risco de comorbidades.
Em 2018, o The New England Journal of Medicine publicou um estudo com 350 mil europeus de ambos os sexos e detectou que ter uma cintura maior pode quase dobrar o risco de morrer prematuramente mesmo se o peso da pessoa estiver dentro do IMC sugerido, demonstrando assim o grande risco da gordura da região abdominal.

Como perder gordura abdominal?

Nada de milagres ou loucuras ou dietas da moda, saiba que você pode colocar sua saúde em risco se aderir às tais práticas.
Mudanças no estilo de vida como alimentação balanceada e ingresso em atividades físicas é ainda a maneira mais saudável, eficaz e segura que cuidar da gordura abdominal. Procure sempre orientação de um profissional pois é muito importante saber o que pode comer, como e quando e quais exercícios são mais seguros para sua condição!
Vamos deixar claro primeiramente que estamos lidando com sua saúde, então antes de imaginar qualquer medida “milagrosa” e rápida, pense no quanto ela pode ser prejudicial a tantos órgãos. Pense que  não ganhou peso de uma noite para a outra, foi preciso tempo para isso, logo, não poderá perder também de uma semana para outra, é preciso paciência, dedicação e persistência.

Vamos às dicas!

Reeducação alimentar com um Nutricionista, não com coaching nutricional, professor de educação física, endocrinologista e etc. Planejamento Alimentar é tarefa exclusiva do Nutricionista
Beba água não apenas durante a atividade física, mas sim durante todo o seu dia;
Acompanhe o funcionamento do seu intestino;
Cuidado com o consumo de bebida alcoólica, pois ela retarda muito seu resultado;
Com o professor de educação física: fortalecimento geral e na região com exercícios resistidos, a musculação e também o pilates, estes exercícios fazem com que você aumente seu metabolismo basal, porque quanto mais massa magra tiver, mais energia seu corpo gasta em repouso;
Exercícios aeróbios são necessários, pois além de auxiliar na perda de calorias são extremamente importantes para sua saúde cardiovascular;
Tão importante quanto o treino é o tempo de repouso, portanto um bom acompanhamento profissional é essencial para o sucesso do seu plano;
Estresse e falta de sono induzem à liberação de cortisol, facilitando o acúmulo de gordura na região abdominal;
Procure orientação profissional! Não busque milagres, faça uma alimentação balanceada, incorpore exercícios físicos na sua rotina.

Fonte
Dra. Tais Rímoli – Nutricionista (CRN: 54967) e Personal Trainer (CREF: 035885 G/SP). Especialista em Qualidade de Vida e Manutenção da Saúde
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.