Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1583 artigos encontrados em Notícias
 
 
Hipertensão arterial é a principal causa de insuficiência renal crônica no Brasil
 
Idosos e obesos são mais propensos a evoluir o quadro de pressão alta para doenças nos rins; vigilância e cuidados primários são fundamentais para salvar vidas

O Dia Mundial de Combate à Hipertensão em 26/04 foi a data para lembrar a importância de manter a pressão sanguínea sob controle, uma vez que ela é um dos principais fatores de risco para a ocorrência de acidente vascular cerebral, enfarte, aneurisma arterial e insuficiência cardíaca e renal.

Segundo levantamento realizado pelo Ministério da Saúde, um em cada quatro brasileiros adultos dizem ter diagnóstico médico de hipertensão. A doença tende a aumentar com a idade, chegando a 60,9% entre os adultos com 65 anos e mais; a prevalência é menor entre aqueles com maior escolaridade, chegando a 14,8% entre as pessoas com 12 anos ou mais de estudo.

Entre as complicações mais graves causadas pela pressão alta está a diminuição da função renal, uma vez que o rim é formado por pequenos vasos responsáveis pela filtragem do sangue. Quando o sangue chega ao rim com mais pressão, essas arteríolas são danificadas e perdem a capacidade de filtrar. A partir daí, ele começa a eliminar substâncias que deveriam ser absorvidas e segurar outras que deveriam ser eliminadas.

A hipertensão arterial pode ser causa e consequência da insuficiência renal. Se os rins deixarem de eliminar o volume excedente, este, por sua vez, pode aumentar ainda mais a pressão arterial, invertendo o fluxo da doença. Ele frisa que o comprometimento renal causado pela hipertensão arterial ocorre de maneira lenta e assintomática, o que compromete o diagnóstico precoce.

A doença renal crônica constitui hoje um importante problema de saúde pública. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, cerca de 35 mil pacientes entram no programa de hemodiálise todos os anos; cerca de seis mil deles são transplantados, mas as clínicas cadastradas para o tratamento não conseguem atender à demanda. A taxa de mortalidade é elevada e mantém-se constante por causa da concomitância de complicações cardiovasculares.
Além da falta de controle da pressão arterial, diabetes, colesterol alto e o tabagismo contribuem não apenas para a piora da saúde dos rins, mas também para uma evolução pior da doença renal crônica. Os pacientes idosos e obesos devem realizar exames periódicos para avaliação da função renal, e o mesmo vale para os hipertensos. Os exames iniciais utilizados para esta finalidade são a dosagem da creatinina e o exame de urina tipo 1.

Como prevenir

Para prevenir a evolução da doença renal, é fundamental controlar a pressão arterial.
Além disso, adotar estilo de vida saudável, como evitar o sobrepeso, reduzir a quantidade de sal e sódio na dieta, parar de fumar e praticar 30 minutos de atividades físicas diariamente podem fazer a diferença.
As  recomendações existem, mas não são seguidas como deveriam. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a hipertensão arterial um problema de saúde pública, uma vez que o número de casos não para de crescer.

Fonte
Dr. Marcelo Sampaio - cardiologista e membro o comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.
Marlene Oliveira - presidente e fundadora do Instituto Lado a Lado pela Vida
 www.ladoaladopelavida.org.br
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.