Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 1550 artigos encontrados em Notícias
 
 
Saiba mais sobre o Abril azul: mês estimula conscientização sobre o câncer de esôfago
 
O câncer de esôfago, tubo que liga a garganta ao estômago, é o sexto tipo mais comum entre os brasileiros e o 15º entre as brasileiras, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Ainda conforme a entidade, o câncer de esôfago é o oitavo tipo mais frequente no mundo, sendo duas vezes mais comum em homens, do que em mulheres.

Outra pesquisa, divulgada no mês passado pelo periódico Cancer Epidemiology, revelou que ingerir mais de três xícaras ou 700 ml de chá verde ou preto, em temperaturas acima de 60ºC aumenta em 90% o risco de se ter a doença. Representado pelo laço azul, o câncer de esôfago é lembrado neste mês de abril. A campanha Abril Azul visa conscientizar a população e combater o aumento da doença.

Apesar de comum, esse tipo de câncer raramente apresenta algum indício. Com o passar do tempo, o paciente passa a sentir dificuldade para engolir alimentos devido ao estreitamento do esôfago, que é o órgão que leva o alimento da boca até o estômago.

Essa dificuldade começa com alimentos sólidos e pode piorar até mesmo com ingestão de líquidos como a água. Além disso, o paciente pode sentir dor ao engolir o alimento, o que leva a perda de peso, que pode ser bastante intensa.

A doença pode se manifestar ainda com uma sensação de má digestão, impacto do alimento no esôfago e arrotos frequentes. De acordo com a especialista, se o paciente não procurar assistência médica a doença pode evoluir e gerar outros sintomas, como rouquidão, tosse, falta de ar, náuseas e vômitos, bem como outros sinais relacionados à doença metastática.

Prevenção
Para prevenir a doença é preciso interromper o uso do cigarro e o consumo de bebida alcoólica. Orientamos que o paciente priorize a alimentação rica em frutas e vegetais, controle do peso e atividade física regular.

Tratamento
O tratamento vai depender do estágio de evolução da doença, podendo ser necessário fazer quimio, radioterapia e cirurgia, nos casos de doença localizada."O acompanhamento da equipe multidisciplinar formada por profissionais capacitados é fundamental para suporte clínico aos sintomas relacionados à doença e ao tratamento
 
Fonte
Dra. Janaina Jabur -  médica oncologista da Aliança Instituto de Oncologia . Graduação em Medicina pela Universidade Federal da Bahia e residência médica em Clínica Médica no Hospital de Base do Distrito Federal .
 
 
 
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.