Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 385 artigos encontrados em Entrevistas
 
 
Quais são os cuidados necessários para aumentar a imunidade do bebê?
 
1) Que cuidados devem ser tomados para aumentar a imunidade do bebê?
Embora sejam tão pequenos e indefesos ao nascerem, os bebês chegam ao mundo com um complexo sistema de defesa que vai se desenvolvendo com o passar do tempo. Os bebês requerem mais cuidados por terem naturalmente a imunidade mais baixa, mas alguns cuidados básicos dão conta da sua proteção. Mas não precisa de grandes neuras. É claro que o bebê exige um cuidado maior quanto a sua higienização e cuidados, mas não se deve colocá-lo em uma bolha, até porque ele precisa desenvolver seus próprios anticorpos.Em primeiro lugar, é importante que a higiene seja feita com muita atenção, principalmente durante as trocas de fraldas.

A pele é o nosso maior órgão e tem importante função de barreira mecânica aos agentes agressores, constituindo o chamado sistema de defesa inato, e nos bebês – principalmente nos prematuros – ela é muito sensível e se encontra em processo de amadurecimento. Mantê-la sempre limpa e higienizada, especialmente após as trocas de fraldas, evita o desenvolvimento de infecções e assaduras. Ainda de acordo com a especialista, o contato com os bebês, especialmente os recém-nascidos, também exige alguns cuidados, já que eles estão mais propensos a vírus e bactérias, tendo em vista que nunca foram expostos a estes microrganismos e, portanto, não tem defesa contra os mesmos.

Uma das medidas que devem ser tomadas é a de evitar levar a criança para ambientes fechados e com aglomeração de pessoas (shoppings; restaurantes; festas) e também a permanência dos bebês em locais com pessoas portadoras de doenças contagiosas, como a gripe. Fora isso, é importante fazer a higienização das mãos com água e sabão antes de pegar o bebê, principalmente quando se está voltando da rua.

2) Imunidade – Como funciona?
Há dois tipos de imunidade: a inata (natural) e a adquirida. Quando nascemos, já chegamos com a imunidade inata. A lágrima, a pele, enzimas diversas e os glóbulos brancos constituem a proteção inata dos bebês. Já a imunidade adquirida, constituída basicamente por células especializadas em fazer a defesa contra determinadas infecções e por anticorpos, são conseguidas com o tempo.

As crianças desenvolvem-na à medida que vão tendo contato com vírus, bactérias e fungos e com as vacinas. As vacinas estimulam o sistema imunológico a produzir anticorpos, e são fundamentais para a proteção das crianças ao longo da vida. Por mais estranho que pareça, o contato da criança com bactérias e vírus é importante para que ela aprenda a se defender contra eles. É claro que os pais devem se preocupar com as infecções, mas, deve-se permitir que as crianças brinquem no chão, peguem brinquedos de outras crianças, tenham contato mais próximo com outras pessoas, frequentem creches e berçários, etc. Isso é normal, e não precisa ser evitado. A exposição a diversos agentes infecciosos é importante para o adequado desenvolvimento do sistema imunológico adaptativo.

3) Qual é a importância da amamentação?
Nos primeiros meses de vida, o aleitamento materno é a maior fonte de proteção para o bebê. Nas semanas seguintes ao nascimento do bebê, o leite da mãe confere ao intestino do bebê um ambiente propício para protegê-lo de bactérias patogênicas. Diversas pesquisas nesta área demonstram que bebês que são amamentados têm menores taxas de infecções como diarreias, otites, pneumonias dentre outros problemas de saúde.

Outro benefício da amamentação é a proteção contra doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como a obesidade, dislipidemia e a hipertensão arterial.  Quanto mais a mãe amamenta, menores são os riscos de a criança desenvolvê-las no futuro. E, já que estamos no vivendo o Outubro Rosa, não custa lembrar que amamentar previne o câncer de mama em quem amamenta.
 

 
Autor
 
Dra. Natasha Slhessarenko
 
Pediatra que integra o corpo clínico do Delboni Medicina Diagnóstica,
 
 

 
Os autores estão em ordem alfabética.
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.