Esqueceu sua senha?
 
 
 
 
Busca Avançada
 
 
 
Receba as notícias da
Nutrição em Pauta
em seu e-mail
 
 
 385 artigos encontrados em Entrevistas
 
 
Uso de estatina pode reduzir o risco de cirurgia de catarata
 
1) As estatinas têm um efeito antioxidante que pode inibir o desenvolvimento da catarata, após seu uso prolongado?
Um estudo publicado recentemente no American Journal of Ophthalmology - Recent statin use and cataract surgery - revela que, a longo prazo, o uso de estatinas está associado a um menor risco de cirurgia de catarata. Já o uso do medicamento, a curto prazo, está relacionado a um risco maior.

Isto porque as estatinas, conhecidas por reduzir os níveis de colesterol, também têm um efeito antioxidante que previne o desenvolvimento da catarata. Segundo Donald S. Fong, autor do estudo, a razão pela qual somente o uso prolongado oferece proteção contra a cirurgia de catarata é que a catarata, uma vez formada, não responde a qualquer tipo de tratamento, somente à cirurgia. Ou seja, o uso de estatinas não poderia corrigir o cristalino danificado. Já o uso precoce da estatina, quando o paciente é mais jovem, ou quando o medicamento é tomado por mais tempo, serve como mecanismo protetor do organismo, impedindo que a catarata se desenvolva.

O aumento do risco da cirurgia de catarata com o uso de curto prazo da estatina não sugere que a causa para o aparecimento da catarata seja o uso do medicamento. Segundo os autores do estudo, com o uso de curto prazo, o paciente está apenas começando a controlar os desequilíbrios do organismo que também estão associados com o desenvolvimento da catarata.

2) Como Prevenir o aparecimento da catarata?
A busca por métodos eficazes para prevenir o aparecimento da catarata pode ser comparada à corrida atrás do Santo Graal, pois já dispomos do tratamento mais efetivo para a doença, no entanto, ainda não conseguimos prevenir o seu aparecimento. O estudo mencionado traz uma relevante contribuição neste campo, mas é preciso lembrar que o uso da estatina deve ser recomendado por um cardiologista. Ninguém deve sair tomando o medicamento por conta própria, visando prevenir o aparecimento da catarata, há outras medidas que podem ser adotadas visando a prevenção da doença, tais como: parar de fumar, evitar a exposição excessiva à radiação ultravioleta, evitar quantidades excessivas de álcool e ingerir muitas frutas e vegetais frescos. Nenhuma evidência existente sugere que o uso de colírios ou pomadas ou realizar exercícios para os olhos vai impedir o aparecimento da catarata.

A maneira mais simples e mais eficaz de se proteger contra a radiação ultravioleta (UV) é não se expor ao sol. Mas como isto não é possível, principalmente, no Brasil, um país tropical, durante a exposição solar, algumas medidas preventivas podem ser adotadas para diminuir os danos causados à visão. O uso de um chapéu de abas largas pode reduzir significativamente a exposição dos olhos à radiação UVB. É importante saber que os raios de sol são altamente reflexivos, por isto, sentar na sombra ou debaixo de um guarda-sol, por si só, não garante proteção.

Usar os óculos de sol, sempre, é outra medida preventiva eficaz. Óculos de sol não precisa ser caro ou de grife. Mas é importante selecionar óculos que bloqueiem, pelo menos, 99% dos raios UVB e 95% dos UVA. Já sabemos que as lentes polarizadas e revestidas de espelho não oferecem qualquer proteção contra as radiações UV.

3) Como deve ser a dieta e nutrição?
Não está completamente estabelecido que a dieta desempenhe um papel significativo no desenvolvimento da catarata. No entanto, são muitos os estudos que indicam que frutas de cor escura (verde, vermelho, roxo e amarelo) e vegetais costumam ter níveis elevados de fitoquímicos que podem ser associados a um menor risco de catarata.
Na análise de nutrientes, os pesquisadores focam sua atenção na importância dos antioxidantes e dos carotenóides. Os estudos demonstraram que os suplementos vitamínicos antioxidantes (como vitaminas C e E) não ajudam a prevenir a catarata. Ainda assim, frutas e vegetais que contenham essas vitaminas são importantes para uma boa saúde, no geral.

A luteína e a zeaxantina são os dois carotenóides mais estudados para a prevenção da catarata. Eles são compostos de xantofila, um tipo particular de carotenóide. Como a luteína e a zeaxantina também são encontrados nas lentes dos olhos, algumas evidências indicam que alimentos ricos em xantofila (como vegetais folhosos verde escuro) podem ajudar a retardar o processo de envelhecimento do cristalino, protegendo o organismo contra a catarata. No entanto, não há ainda evidências suficientes para sugerir que tomar suplementos com esses carotenóides diminui o risco de formação de catarata.
 

 
Autor
 
Dr. Virgilio Centurion
 
oftalmologista, diretor do IMO - Instituto de Moléstias Oculares.
 
 

 
Os autores estão em ordem alfabética.
 
 

 
Nossos Patrocinadores
   
 
© Copyright Nutrição em Pauta. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.